MMPMA por MMPMA

A “V.3 Mini-Micro-Pocket-Mostra-de-Arte: #Sala109, segundo (o) tempo” é uma exposição física e virtual que reúne obras e ações artísticas, tradicionais e contemporâneas, de vários gêneros, suportes, técnicas e linguagens como: desenho, pintura, gravura, grafite, colagem, lambe-lambes, fanzine, fotografia, escultura, instalação, environment, vídeo, performance, dança, jogo, bordado, etc.), desenvolvidas por servidores técnico administrativos, professores e alunos de graduação e pós-graduação do Instituto de Cultura e Arte-ICA, (…) juntamente com trabalhos de outros pesquisadores e artistas nacionais e internacionais com objetivo de discutir a performatividade dos processos pedagógicos em arte e comunicação, por meio de atividades artístico culturais (mostra de vídeo, shows, exposição) e didático-pedagógicas pontuais (palestras, rodas de conversa, visitas guiadas, oficinas, etc.) os processos curatoriais, expositivos, críticos e pedagógicos em arte contemporânea.
A partir do diálogo circular entre os campos da arte, da educação, da comunicação, do design, e tendo a performance como operador conceitual e dispositivo de criação artística centrais, engendra-se, com outros artistas, pesquisadores, técnicos e, majoritariamente, com os alunos, um processo, ao mesmo tempo, artístico e pedagógico para o qual concorram, conceitos e técnicas em work in process, para o objetivo de confluência e integração. Contudo, a proliferação de processos iconoclastas, acumulativos, obliterativos, palimpsésticos, polifônicos, torna o environment um cenário ironicamente utópico-distópico em que a própria validade da aula é posta em crise e, aí, num pseudo-paradoxo, ela pode perfazer-se lugar de crítica e diálogo, reperformar-se, ser em si e só aula.

(OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de ; NASCIMENTO JUNIOR, Eliezer Nogueira do; OLIVEIRA FILHO, João Vilnei de. MMPMA, segundo o tempo! V.3 MMPMA, 2021.)

 

Ao entrar na Sala 109, o visitante da V.2 MMPMA se defronta, antes de tudo, com o acúmulo, o excesso de materiais, instrumentos, dispositivos tecnológicos, adereços cênicos, textos e obras resultantes ou referentes ao trabalho de pesquisadores, técnicos, professores e alunos de disciplinas diferentes, em nível de graduação e pós-graduação. Ele não encontra uma exposição pronta, “montada”, o resultado já acabado do processo, mas integra as ações continuamente desenvolvidas ali. Esse é o sentido maior do environment: criar uma obra viva que domina o espaço, como um ecossistema, com a qual o indivíduo possa interagir, imergir corporal e sensorialmente e, mais importante, interferir nela, modificá-la.

(OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de ; NASCIMENTO JUNIOR, Eliezer Nogueira do; OLIVEIRA FILHO, João Vilnei de. #Sala109 em exposição. V.2 MMPMA, 2018.)

 

Exposição com apenas 12h de duração, a “V Mini-Micro-Pocket-Mostra de Arte: Na classe…” reúne, entre os dias 11 e 14 de dezembro de 2017, quase 50 trabalhos de mais de 30 artistas e pesquisadores, numa sala de aula de 24m2, para refletir sobre a sala de aula e seu papel na sociedade contemporânea.
A partir dos conceitos de contemporâneo (Agambem), comunidade (Agamben, Barthes, Jean-Luc Nancy, Espósito), performance (Carlson, Phelan, Zumthor, Cohen), polifonia (Bakthin), peripatetismo (Aristóteles) e jogo (Huizinga, Callois), o processo de criação do environment investigou as relações entre arte e vida, teoria e prática dentro da produção e transmissão de conhecimento científico e dos processos de criação artística no mundo contemporâneo. Gambiarra, acúmulo, palimpsesto, colagem, assemblagem, obliteração são palavras-chaves desse environment que teve como referências artísticas e estéticas salas de ex-votos, paredes votivas, grafites e pixações, pop art, tropicália; artistas como Artur Bispo do Rosário, Siegbert Franklin, Farnese de Andrade, Zé Pinto, Hélio Oiticica, Robert Rauschenberg, Jean-Michel Basquiat, Yayoi Kusama, Andy Warhol.

(OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de ; NASCIMENTO JUNIOR, Eliezer Nogueira do; OLIVEIRA FILHO, João Vilnei de. Mostra “relâmpago” reúne mais de 40 obras de 30 artistas em sala de aula de 24m2. V MMPMA, 2017)

 

Desta vez, a MMPMA ocupa Brechó Literário Rimbaud, sebo e reduto de jovens artistas e poetas de Fortaleza, e reúne a produção técnica e artística resultante das vivências e motivações das aulas ao longo do semestre: ilustrações, ensaios fotográficos, vídeos, performances, instalações, show de Música Popular Brasileira-MPB, dança, games, entre outros. O resultado da tentativa de promover o encontro entre arte e ciência, processos de criação e pesquisa acadêmica aparece, aqui, materializado em obras e ações marcadas pelo olhar fresco e descomprometido dos jovens alunos do Curso de Publicidade Propaganda da UFC.

(CARVALHO, Taiana Cláudia Nunes; OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de. Na Treze… IV MMPMA, 2016)

 

A “III Mini-Micro-Pocket-Mostra-de-Arte: na Torrinha” é uma exposição relâmpago de trabalhos artísticos dos alunos da disciplina de Teorias da Comunicação II (2015.2) do Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal do Ceará-UFC, realizada pelo Laboratório de Investigação em Corpo, comunicação e Arte-LICCA em parceria com a Liga Experimental de Comunicação e com organização e curadoria do professor e artista Antonio Wellington de Oliveira Junior (Tutunho) e Eliezer Nogueira do Nascimento Junior, pesquisador associado ao LICCA.
O que pode resultar do encontro entre teoria e arte? O resultado da tentativa de promover o encontro entre arte e ciência, processos de criação e pesquisa acadêmica aparece, aqui, materializado em obras e ações marcadas pelo olhar fresco e descomprometido dos jovens alunos do curso de Publicidade Propaganda da UFC.

(CARVALHO, Taiana Cláudia Nunes; OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de. Arte na Torrinha, III MMPMA, 2016)

 

Os trabalhos se relacionam de alguma forma com o pensamento flusseriano: os suportes utilizados, a forma de ocupação do espaço pela imagem, a reflexão sobre a própria imagem técnica e as interações entre homem e essas imagens, os gestos. Toques, pontos, bits e programas fazem parte dessa Mini-Micro-Pocket-Mostra-de-Arte-MMPMA.

(MEDEIROS, Wendel Alves de. MMPMA em Fluxo… II MMPMA, 2012)

 

Uma mostra se espalha pela cidade nessa semana. (…) a “Mini-Micro-Pocket-Mostra-de-Arte: Nem lá, nem cá, aqui… limites, fronteiras, bordas, limiares” (…) coloca diferentes obras no corpo-a-corpo com as ruas, as praças, os passantes. Ações irão se espalhar pelo cotidiano da cidade para colocar em crise formas tradicionais de exposição.
A MMPMA quer mostrar como são tratados, na produção artística recente, em suas mais variadas formas de apresentação (fotografia, pintura, desenho, grafite, escultura, instalação, performance, vídeo, dança, performance, intervenção, happening, environment, arte cibernética ou digital, etc.), temas como o limite, a borda, a fronteira, o limiar.

(LIMA, Érico Araújo; OLIVEIRA JUNIOR, Antonio Wellington de. Nem lá, nem cá, aqui… I MMPMA, 2011)

 

REALIZAÇÃO/APOIO